A Visita de Max Bill – Arte Concreta no Brasil

A Visita de Max Bill – Arte Concreta no Brasil
Rafael Kamada

A Visita a Max Bill – Arte  Concreta no Brasil

31 Ago – 26 Out 2019

Abertura
30 Ago


Galeria Kogan Amaro
Löwenbräukunst, Limmatstrasse 270
8005 Zürich, Switzerland

A Visita de Max Bill – Arte Concreta no Brasil

A Galeria Kogan Amaro tem o prazer de apresentar a dupla exposição A visita de Max Bill, uma homenagem ao artista, designer e arquiteto suíço que teve uma profunda influência na jovem geração de artistas brasileiros dos anos 50. Reunindo obras desse movimento brasileiro de vanguarda e da artista contemporânea Fernanda Figueiredo, que explora, a partir de uma perspectiva moderna, a relação entre Max Bill e esses artistas.

Em 1950, a retrospectiva de Max Bill realizada no recém-inaugurado Museu de Arte Moderna de São Paulo foi uma novidade impactante para muitos jovens artistas. Eles puderam encontrar no vocabulário racionalista da Arte Concreta uma forma de expressão artística que correspondia ao rápido processo de modernização pelo qual o Brasil estava passando.

No ano seguinte, durante a 1ª Edição da Bienal de São Paulo, diversos artistas apresentaram obras que traduziam seu engajamento com a Arte Concreta e a forma como se apropriaram dela. Durante a Bienal, o prêmio de escultura estrangeira foi entregue a Max Bill – in absentia pela sua obra Unidade Tripartida. Ele veio ao Brasil para a 2ª Edição da Bienal, em 1953, como um membro da comissão de júri e fez uma série de palestras pelo país.

Nesse meio tempo, um coletivo de artistas estabeleceu em São Paulo o Grupo Ruptura, que marcou a chegada do Concretismo no país. Quatro membros do Grupo estão representados em nossa exposição: Waldemar Cordeiro (1925-1973), Luiz Sacilotto (1924-2003), Lothar Charoux (1912-1987) e Judith Lauand (b. 1922). Hercules Barsotti (1914-2010) e Willys de Castro (1926-1988). Eles conheceram Max Bill em 1958, durante uma viagem à Europa e, quando retornaram ao Brasil, juntaram-se ao grupo Neoconcretismo, no Rio de Janeiro. Em 1960, Max Bill organizou a exposição Arte Concreta – 50 anos em desenvolvimento, na Hemlhaus de Zurique, a qual contou com obras de Barsotti, de Castro e Lauand.

 


Antonio Maluf (1926-2005) criou o primeiro cartaz oficial da Bienal de São Paulo, o qual foi um marco histórico para o design gráfico no Brasil. Suas composições estritamente geométricas formavam uma vibração ótica, uma ilusão de movimento.

Hercules Barsotti rejeitava regras rígidas de composição, o que já podia ser observado em suas primeiras aquarelas, que apresentavam triângulos irregulares sobrepostos, com a interação entre redução e expansão frequentemente formando uma sensação de rotação ou vibração visual. Foi apenas nos anos 1960 que ele começou a usar cor para criar a tensão cromática. Enquanto as formas permaneceram geométricas, a paleta era intuitiva e aplicada de forma irregular e espontânea durante o processo de criação. Ele também se separou da convenção tradicional das formas retangulares, que preferia arredondadas ou com telas de cinco ou seis lados, consequentemente, remoldurando os quadros. A sua arte vive da tensão entre as regras objetivas e a subjetividade da prática visual.

Judith Lauaun também desafiou as regras e os dogmas, optando por formas e materiais incomuns, incluindo areia; aqui ela faz uso de tinta chinesa.

Willys de Castro, por sua vez, trabalhou com grande precisão; suas composições geométricas exploravam o espelho e equilíbrio. As formas podem ser claras, mas a experiência visual do observador é múltipla.

Luiz Sacilotto (1924-2003), que teve uma escultura na Documenta 12, investigou em suas obras com linhas e padrões a percepção e ilusão de ótica; ele é considerado um dos fundadores da Op Art. E o mesmo se aplica a Lothar Charoux (1912-1987), que criou linhas coloridas vibrantes sob um fundo preto.

Waldemar Cordeiro foi um representante do Concretismo que no fim dos anos 60 tornou-se um pioneiro e uma referência na arte computacional.

Raymundo Colares (1944-1986), da geração posterior, foi um estudante de Lothar Charoux e transitou do Concretismo para a Pop Art.

Obras destes artistas podem ser encontradas em várias coleções importantes, incluindo no MoMA de Nova York e no Museu de Belas-Artes de Houston.