Sol a pino

Sol a pino
Beatriz Sant'Ana

Nuno Ramos
Sol a Pino

24 Mai – 06 Jul 2019

Abertura
24 Mai, 19h–22h


Galeria Kogan Amaro
Löwenbräu-Kunst. Limmatstrasse, 270
Zürich CH-8005 – Switzerland

Galeria Kogan Amaro inaugura espaço em Zurique com solo de Nuno Ramos

Galeristas Ksenia Kogan Amaro e Marcos Amaro apostam na arte contemporânea brasileira na Suíça

Para marcar a abertura em Zurique, na Suíça, no centro cultural Löwenbräu-Kunst, no dia 24 de maio, às 18h, Nuno Ramos ocupa a galeria brasileira Kogan Amaro com a exposição solo Sol a pino. O artista paulistano participou de três edições da Bienal de São Paulo, em 1985, 1989 e 2010, e da 46ª Bienal de Veneza, em 1995. Em 2004, participou de um diálogo com o artista Frank Stella, curado por Vanda Klabin e, em 2006, recebeu o Grant Award da Barnett and Annalee Newman Foundation pelo conjunto da obra. Reconhecido internacionalmente por sua trajetória nas artes visuais, Nuno Ramos apresenta duas séries de desenhos e duas pinturas, em que descreve um desejo de solarização – tentativa de alegria em tempos soturnos.

Nas pinturas, o artista emprega uma versão particular da encáustica – mistura de tinta, óleo, parafina, vaselina e pó – que materializa cores elétricas em superfície de madeira. Em contraposição a este exagero de luz, os mitos gregos de Antígona e Cassandra aparecem na exposição através de duas séries de desenhos. Voltado para a terra e a potência tectônica do que está debaixo dela (Antígona) ou para o conhecimento tragicamente inútil (Cassandra), os dois mitos fazem contrapeso à solarização das pinturas, num feitio central à poética de Nuno Ramos: o de unir opostos, buscando a fricção entre eles.

A trajetória nas artes visuais, na pintura, desenho, instalação e performance, mantém a fluência e diversidade alcançada por Nuno Ramos ao longo de décadas. A escolha do artista para a estreia da galeria brasileira na Suíça foi tomada pelo desejo de oferecer um trabalho multidisciplinar à cena internacional. “O percurso trilhado por Nuno nos quase 40 anos de carreira mostra a sua importância – vimos a necessidade de seguir projetando-o internacionalmente”, diz Marcos Amaro.

 

Sobre Nuno Ramos
Nuno Ramos nasceu em 1960, em São Paulo, onde vive e trabalha. Suas exposições individuais recentes incluem: O Direito à Preguiça, CCBB (Belo Horizonte, 2016); O Globo da Morte de Tudo, em parceria com Eduardo Climachauska, SESC Pompeia (São Paulo, 2016) e Galeria Anita Schwartz (Rio de Janeiro, 2012); HOUYHNHNMS, Estação Pinacoteca (São Paulo, 2015); Ensaio Sobre a Dádiva, Fundação Iberê Camargo (Porto Alegre, 2014); Anjo e Boneco, Museu Oscar Niemeyer (Curitiba, 2013); 3 lamas (ai, pareciam eternas!),Galeria Celma Albuquerque (Belo Horizonte, 2012), Fruto Estranho, MAM Rio (Rio de Janeiro, 2010). Destacam-se ainda suas participações na Bienal de São Paulo (2010, 1994, 1989 e 1985) e na Bienal de Veneza (1995). Sua obra está presente em grandes coleções institucionais como: Tate Modern (Londres), Walker Art Center (Minneapolis), Inhotim (Brumadinho), MAC-USP (São Paulo), MAM-SP (São Paulo), Fundação Marcos Amaro (São Paulo), entre outras. Em 2006, recebeu, pelo conjunto da obra, o Grant Award da Barnett and Annalee Newman Foundation.