SP-Arte, texto por Dedé Ribeiro | 2015

SP-Arte, texto por Dedé Ribeiro | 2015
Zwei Arts

Fortuna Crítica
Fabiano Rodrigues

Dentro e fora, de Pedro Cupertino | 2016

Dentro e fora, de Pedro Cupertino | 2016

[spb_text_block animation=”none” animation_delay=”0″ simplified_controls=”yes” custom_css_percentage=”no” padding_vertical=”0″ padding_horizontal=”0″ margin_vertical=”0″ custom_css=”margin-top: 0px;margin-bottom: 0px;” border_size=”0″ border_styling_global=”default” width=”1/1″ el_position=”first…

Fotografia de arte – movimento e arquitetura | 2016

Fotografia de arte – movimento e arquitetura | 2016

[spb_text_block animation=”none” animation_delay=”0″ simplified_controls=”yes” custom_css_percentage=”no” padding_vertical=”0″ padding_horizontal=”0″ margin_vertical=”0″ custom_css=”margin-top: 0px;margin-bottom: 0px;” border_size=”0″ border_styling_global=”default” width=”1/1″ el_position=”first…

SP-Arte, texto por Dedé Ribeiro | 2015

SP-Arte, texto por Dedé Ribeiro | 2015

[spb_text_block animation=”none” animation_delay=”0″ simplified_controls=”yes” custom_css_percentage=”no” padding_vertical=”0″ padding_horizontal=”0″ margin_vertical=”0″ custom_css=”margin-top: 0px;margin-bottom: 0px;” border_size=”0″ border_styling_global=”default” width=”1/1″ el_position=”first…

Fabiano Rodrigues, por Leandro Menezes | 2013

Fabiano Rodrigues, por Leandro Menezes | 2013

[spb_text_block animation=”none” animation_delay=”0″ simplified_controls=”yes” custom_css_percentage=”no” padding_vertical=”0″ padding_horizontal=”0″ margin_vertical=”0″ custom_css=”margin-top: 0px;margin-bottom: 0px;” border_size=”0″ border_styling_global=”default” width=”1/1″ el_position=”first…

Texto por Dedé Ribeiro para SP-Arte | 2015

Dedé Ribeiro

“A nova série de fotos do Fabiano Rodrigues é inacreditável. As fotos parecem cheias de efeitos e montagens, mas não são. Ele pensa os ângulos, monta os cenários, cria a performance e bingo!

Lá estão fotos que parecem impossíveis, mas foram feitas num só clique. E clicadas por ele, que também é o modelo, seguindo o que já fazia em seus já célebres auto-retratos de skate nos ícones da arquitetura mundial. O público desavisado, acha que é montagem, daí as pessoas caem para trás. Ficam virando a cabeça para tentar entender como se olhassem para um Escher.
E como se não bastasse o processo ser tão rico, o resultado estético é brilhante.”